quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Tédio e Preguiça


O tédio dessas horas alonga cada segundo...
Alimenta-se e se fortalece na minha preguiça,
Deixando-me sem saída.
Eu que tenho idéias para sair daqui,
Mas não as transformo em atos,
Por causa da moleza da minha carcaça...
Socorro! Quero sair dos minutos mesquinhos
Que nem um pouco de alegria
Faz passar por este caminho.
A lua linda não me comove,
O vento me toca,
Minha pele não o absorve...
O tédio mata os vivos
E quando está aliado a preguiça
Faz da existência pior do que a morte
Quem nunca teve tédio
Ou mente, ou tem muita sorte
04/11/09


Ana Patrícia Oliveira Peixoto

6 comentários:

Tolerância Zero disse...

carai..tédio é um saco mesmo.........
mas foda a poesia.. idéias bem explicitas..e um texto de fácil compreensão!

torradastostadas disse...

não creio que ninguém nunca teve tédio... e é bom convertê-lo! melhor ainda, se em poesia :D

Guilherme_Arconexo disse...

Nada pior do que ficar entediado, não é?
Tudo fica chato, você fica sem saco pra fazer nada!
Bom texto, parabéns!

http://nadaaverpontocom.blogspot.com

Brothers n' Roll disse...

Sou bastante preguiçoso, porém não entediado ;) Legal o poema.

Luis Adriano disse...

A preguiça e o tédio estão ligados, de certa forma. Um implica na existência do outro e os dois são ruins, tanto é que "preguiça" é um dos sete pecados capitais.
O seu texto interessante, embora eu sempre ache que rimas enriqueçam uma poesia. Gostei da escolha de alguns versos, do uso de poucos hipérbatos.
=)

Celso Costa disse...

A Grecia qu me desculpe, mas o berço dos Poetas e Escritores imompreendidos é a Blogosfera.

Quem sou eu

Minha foto
Não há respostas exatas para definir seres relativos \o/