sábado, 21 de novembro de 2009

O desconhecido


Somos todos homens, dotados de um dom esplêndido:
O dom de fazer história, de produzir cultura...
Temos o dom de ser diferentes.

O mesmo dom, que conduz os poetas a poesia;
Os místicos a magia, o engenheiro a engenharia...
O artesão ao artesanato, assim como Vitalino e sua arte com barro.

O homem é peculiar no que faz, e isto o faz homem.
Por que negaríamos, então, nossa própria humanidade?
Rejeitando e desprezando as diferenças de uma raça,
Se tão somente a diferença é a essência,
Que nos concede tamanha graça?

Seja cópia quem quiser!
Sejam todos animais irracionais!
Entregues a unanimidade...
Sem opiniões e desejos,
Atirem-se na singularidade.

Não negue o homem o que o faz ser homem.
Sejam brancos homens, amarelos, azuis ou pretos...
Que Sejam homens de verdade! Um mundo todo azul
Não teria arco-íris, pra trazer felicidade.

Tememos a diferença, por que ela é desconhecida
Tememos o desconhecido assim como tememos a morte.
Deixe os medrosos, entregues ao seu mundo monocromático,
Deixai os covardes em suas vidas sem cores, assim como merecem.
Viver é aprender... E só se pode aprender o que se desconhece.


Ana Patrícia Oliveira Peixoto

4 comentários:

Tatiane Rosa disse...

"Viver é aprender...E só se pode aprender o que se desconhece",fechou com chave de ouro!!!=D
tenho um texto que lembra esse seu...
http://euseiquepossovencer.blogspot.com/2009/11/diferenca-pede-licenca_20.html

Cristiano Contreiras disse...

blog conceitual, sem falar no literário que pulsa bem por aqui!

estou seguindo!

Verdelone disse...

Poemas e Poesias nota 10!
Blogar com pensamento....
Parabéns
Abçs
CIA DOS BOTECOS - www.ciadosbotecos.blogspot.com

leorio disse...

Curt... massa mesmo... Diria algo mais criativa para tuas palavras, mas a vontade é pouca e a pouco se esgota.

Quem sou eu

Minha foto
Não há respostas exatas para definir seres relativos \o/