domingo, 30 de novembro de 2008

*Fim*

Se eu luto contra o cansaço,
Desvaneço em triste insônia.
Folgo a carcaça em meu quarto,
Ascendendo a luz pros meus inchaços
Em veemência pálida e tristonha.
Morte certa tão mesquinha...
Vida vivida sem magia,
Louvada seja a melodia!
Vez aguda, vez grave...
Em extremos de perfeita sintonia.
De sorte a viver a morte,
Sem arriscar minha sinfonia
Tão monótona e doida,
Quanto o propósito desta poesia.


By.: Ana Patrícia

2 comentários:

e.black disse...

paty , vc sabe o quanto viajo em seus textos. vc tem um talento GRANDE, como já disse antes, vc é uma bruxa e escreve como uma folha que cai la da arvore da montanha, vc me lembra muito, RIMBAUD, o maior poeta de todos.

leorio disse...

Como o titulo mesmo exprexa esta quase lá... penultimo em... e neste direi, vc tem uma tal de uma liberdade de escrever, a muito tempo não escrevo como vc, espero hj ter me inspirado e fazer algo como meus dias de gloria, só para variar o lixo que estou a produzir este ano.

Quem sou eu

Minha foto
Não há respostas exatas para definir seres relativos \o/