domingo, 20 de dezembro de 2009

Simples assim


A complexidade das coisas simples
Faz evaporar o entendimento,
Uma lágrima, um pequeno oceano...
Uma explosão de sentimentos.

Loucura, insensatez movida à leviandade,
Raiva de amar, medo de arriscar...
E nos dedos anéis apertados,
O sangue precisa circular

Mantenha as mãos abertas
Para o mercúrio não escapar...
Seja livre pela escravidão
Do amor dos amados e amadas...
Amar é ser escravo de orelhas furadas.


Ana Patrícia Oliveira Peixoto

4 comentários:

SarahC. disse...

adorei ,relatou meu vazio constante!

bjs

Os Confundidos disse...

como sempre... perfeita...

Tiago Tobias disse...

Encontrei seu blog sem querer e de quebra, fiquei encantado com tais palavras. Parabéns poeta.

Grazii disse...

Muito obrigada pela companhia neste ano, que 2010 seja um Ano MARA para você, e em 2010 tamo junto!!!

http://marretada.zip.net/

Quem sou eu

Minha foto
Não há respostas exatas para definir seres relativos \o/